quinta-feira, 1 de maio de 2008

Um Raio-X de Heroes, Parte 1


Depois de 5 meses do final da segunda temporada e do Volume 2, fizemos uma análise do que houve com Heroes até o momento. Não olhamos apenas para a história do programa, mas sim por tudo o que ocorreu dentro e fora dele. Nosso foco principal é questionar os rumos que a série tomou e o que podemos esperar do futuro de Heroes.

Por Amanda Pina

Por volta de maio de 2006 os primeiro rumores sobre a nova série da NBC começaram. Heroes, contaria a história de um grupo de pessoas comuns que descobrem possuir poderes. Muitos acharam estranho uma série com esse perfil no canal. Era diferente de tudo o que eles haviam feito antes. A NBC geralmente mais voltada ao drama e a comédia, parecia apostar numa série de ficção científica com jeito de HQ. E foi realmente como aconteceu. As grandes expectativas geradas em torno da série foram correspondidas, mesmo sempre sendo comparada a trama de X-Men. Mas nem tudo ocorreu como eles queriam.


1ª Temporada


Um sonho que se torna realidade

A série começa de certa forma tímida. As primeiras cenas são de Peter ao alto de um prédio, com os braços abertos, dando a impressão de que vai se jogar. É um sonho, que mais tarde acaba se tornando real. São várias as referências e mensagens subentendidas que permeiam a série, principalmente neste começo onde tudo foi planejado minuciosamente. Peter descobre parte de seu poder, que mais tarde acaba se revelando ser mais complicado do que parecia. Outros personagens foram descobrindo seus poderes e junto com eles, todos os encargos que eles traziam. Isso foi projetado principalmente em Niki, a mãe solteira (que mais tarde se mostra não ser solteira) que tira a roupa na internet pra sustentar o filho. Niki não entendia o que acontecia com ela mesma, nem nós que assistíamos a série. Mas tudo teve seu momento de explicação. O ponto alto da temporada começa com a revelação de Hiro do futuro para Peter sobre uma líder de torcida. A frase se tornou jargão da série “Salve a líder de torcida, salve o mundo”. Peter salvou a líder de torcida, só faltou salvar o mundo. E o que seria isso exatamente?



Hora de salvar o mundo

Em meio a todos esses heróis havia alguns vilões. O primeiro deles, Sylar, se tornou tão querido pelos fãs da série que acabou permanecendo vivo até a segunda temporada. Matar Sylar parecia ser parte do “salvar o mundo” mas não foi bem isso o que ocorreu. Um vilão ainda mais perigoso, mas menos óbvio foi finalmente revelado: Linderman. Mencionado como um poderoso mafioso, dono um cassino em Las Vegas, Linderman demonstrou ser um homem carismático que tinha um poder que não condizia com sua fama. O poder da cura. A essa altura da série começamos a perceber as alterações que a equipe de produção fez na história. Vamos tratar disso mais tarde. Linderman também tinha um plano para salvar o mundo. Mas seu plano era exatamente o oposto do que os "mocinhos" queriam. Linderman queria governar o mundo e assim trazer a sua "paz". Para isso Nathan deveria ser eleito senador de Nova York e alguém deveria explodir, literalmente.



O homem atômico

A ameaça do momento passou a ser o homem atômico, Ted Sprague. Isaac, o pintor que registrava o futuro em suas telas, faz a previsão sobre uma explosão causada por um homem atômico. Com isso muitas incertezas e especulações foram trazidas. Peter teve a visão de que ele seria o homem bomba, mas também havia Ted. A explosão ocorreria em Nova York, e não seria suficiente para acabar com a cidade, e muito menos com o mundo. Então como o mundo seria salvo?



A Companhia

Um dos elementos de maiores mistérios na série com certeza é a Companhia. O mistério já começa na sua definição. O que é a Companhia? Aparentemente um organização secreta que persegue e testa os seres especiais. Mais tarde novas revelações sobre essa ordem são feitas, mas até o momento não sabemos tudo sobre ela. Aqui na primeira temporada ela é representada principalmente por Noah Bennet (também conhecido como H.R.G.) o pai adotivo de Claire. A relação de Bennet com a misteriosa cia se mostrou ser muito interessante para o público e só fez a série ganhar com isso. E pelo andar da carruagem ela ainda será muito importante na série por um bom tempo.



A resposta no futuro

Hiro, que foi um dos personagens mais carismáticos da série, teve um papel importante com suas viagens ao futuro. Na sua jornada para se tornar um verdadeiro herói ele acabou cometendo diversos erros, que foram grandes responsáveis pela parte cômica da série, junto com seu amigo Ando. Na sua primeira viagem ao futuro entendemos a real dimensão do “salvar o mundo”. As conseqüências da explosão foram mais devastadoras do que se imaginava. Uma nova ordem se estabelecia no mundo, onde Sylar, na pele de Nathan, era o governador dos EUA. Salvar o mundo não era apenas impedir uma grande catástrofe. Salvar o mundo era impedir que um caos mundial, movido pelo medo, se instaurasse.



Muitos heróis, pouco tempo

Cada personagem teve um papel importante na série com seu poder. Já dizia Linderman “todos teremos papéis para cumprir nos eventos que virão”. Esse é um dos conceitos seguidos pelos criadores de Heroes. Todos são importantes na história. E numa série com tantos personagens importantes, fica complicado trabalhar a importância de todos eles por tanto tempo. Talvez esse seja o motivo de tantas mortes. Como a de Isaac. Mas ele morre com a consciência tranqüila, pois fez sua parte para salvar o mundo. Ele mostra a Hiro como matar Sylar. Hiro até que tentou, mas Sylar não morreu. Se isso era parte do que foi inicialmente planejado nós não sabemos, mas Hiro ao menos impediu que Sylar acabasse com Peter e que pudesse tomar o lugar de Nathan. Isso não bem explicitado na série, a impressão que se tem é que Isaac morreu inutilmente. Mas não foi bem assim.



Como terminar uma história assim?

Ao final da primeira temporada, a equipe de criação já estava sentido as dificuldades em lidar com tantos personagens principais numa série só. Todos eles, vindo de diversas partes, acabaram se voltando para esse único objetivo de salvar o mundo. E ao final de tudo a sensação era de que “a espera era melhor que a festa”. Após a exibição do episódio final da temporada “How to Stop an Exploding Man” os fãs começaram a reclamar. Como todas aquelas grandes expectativas geradas não foram cumpridas? A cena final, o embate entre Sylar e Peter, só precisava de cenas de ação com uma luta básica entre os dois, que tivesse uma duração considerável. Foi tudo muito rápido e simples. Hiro aparece logo para fazer sua parte e ser jogado literalmente para o passado. Sylar desaparece e agora o perigo é a eminente explosão de Peter. Foi tudo resolvido com a ação de Nathan, ao carregar o irmão para o alto e assim a explosão não afetaria a cidade. É uma cena muito boa e com grande significado. O grande problema é que ao criar essa cena não foi levado em consideração todas as possibilidades que Peter teria para impedir aquilo. O criador e produtor da série Tim Kring disse que Nathan teria que salvar o dia, e o resto não importava. Peter poderia voar sozinho para levar a explosão para longe? Isso nem se quer foi pensado por eles. Poderia haver uma explicação lógica e aceitável para isso. Peter poderia ter perdido o controle de seus poderes e restando assim apenas a Nathan a solução do impasse. E ainda havia um grande grupo de personagens em volta que mal puderam fazer alguma coisa nesse desfecho. Grandes oportunidades de cenas boas foram jogadas fora.


O próprio criador e produtor da série Tim Kring disse da dificuldade em lidar com tantos personagens e ainda atender a expectativa dos fãs. Era um erro a ser consertado no futuro. Com um final razoável e explicações que não convenceram, a série perdeu uma boa parte de seus fãs. Isso foi sentido quando a segunda temporada começou e os índices de audiências eram menores do que os esperados, menores do que a série teve em sua estréia.
Tim Kring e equipe acertaram em alguns pontos, mas cometeram novos erros em insistirem em idéias usadas e re-usadas. A segunda temporada usou e abusou das ressurreições, e repetiu a fórmula do “vamos salvar o mundo” e “vamos impedir o males do futuro”.
Confira tudo isso na segunda parte do nosso artigo “Um raio-x de Heroes”.



A minha opinião

Há pessoas que dizem que Heroes é uma série que teve seus dias de glória e agora está em decadência. Será mesmo? Esta primeira temporada mostrou todo o potencial de acertos e também como erros pode acontecer. A impressão que tenho desta temporada é que foi tudo “demais”. Ou seja, muitos personagens, muitas tramas e muitos mistérios em tão pouco tempo. Não quero dizer que a série teve um ritmo muito acelerado, mas muitas “stories lines” (ou arcos) foram sendo criadas no meio do caminho sem que outras fossem concluídas. Algumas foram deixadas em aberto propositalmente para a próxima temporada, mas as que foram fechadas não foram feitas de forma satisfatória. Por isso o final não agradou. Há personagens que poderiam ter sido bem mais aproveitados, como a Charlie. Quando não se há mais o que fazer, ou quando se buscava uma reação do público, ou até mesmo uma virada na história se recorreu a morte de personagens. Eu achei a personagem muito interessante, mas ela foi realmente criada para ser morta. Não havia saída.
Outra coisa que poderia ter sido melhor preservada foi o passado dos personagens. Isso ajuda a manter o mistério sobre eles e ainda ter argumento para episódios e arcos futuros.

Continuando a falar dos erros não há como mencionar o episódio final. Ele foi muito fraco, faltou ação, emoção e empolgação. Se esperava mais de um embate entre Sylar e Peter. E se a intenção era poupar isso para outra temporada, poderiam usar melhor outros personagens para dar mais ação. Não houve quase cenas de “tirar o fôlego”.

Mas houveram também muitos acertos. A abordagem que a série deu ao assunto e os diálogos foram excelentes. Temos que dar crédito também ao elenco de atores contratados. Todos foram convincentes e estavam extremamente comprometidos com seus personagens. O entrosamento que tiveram fora do ar também foi notado. O que aliás rendeu em parcerias fora da série.

Diante disso tudo é possível afirmar que Heroes tem fôlego sim para seguir bem adiante. Mas vamos detalhar isso melhor com a segunda parte da matéria, discutindo o que houve no Volume 2.


Clique aqui e leia a segunda parte da matéria.





Personagens variados numa trama única


Um dos fatores que também torna Heroes uma série diferente e completa, é a presença de pessoas das mais variadas idades, etnias e culturas. Se por um lado há um geek japonês entediado com seu trabalho, por outro temos uma jovem líder de torcida que se importa com as pessoas a sua volta. Nem todos tem poderes, como é o caso de Mohinder, um indiano que procura saber o que houve com seu pai, um cientista que investiga os "seres especiais". Se Hiro ajuda a atrair os nerds, Claire traz dramas que chamam a atenção dos adolescentes. No quesito drama temos Niki, e para a ação, sim, temos Niki também. Para os amantes da política, Nathan está lá. Se o seu negócio são os vilões, ninguém melhor do que Sylar para te animar. E para quem gosta de séries policiais, pode contar com Matt. Toda essa variedade não foi colocada à toa. A série foi projetada para atrair o maior público possível, pois disso também depende a sua sobrevivência na tão concorrida TV americana.

Essa variedade também ajudou no sucesso mundial da série. Em qualquer lugar do mundo há pessoas que se identificam com algum personagem. Cada um tem um drama único, que ao mesmo tempo é relacionado com outros personagens. Essa interação trouxe muita dinâmica e até algumas surpresas para a história. Alguns deles tinham mais do o que o poder em comum.



4 comentários:

  1. João Pedro4:44 PM

    Falou tudo Amanda! Desde o potencial que Heroes tem, até os problemas por causa de muitos personagens.

    Se bem que eu acho que muitos personagens não é problema, aliás, não vejo uma forma de Heroes, ser Heroes sem muitos personagens. Cada personagem é muito importante. Não vejo Heroes sem Claire, Niki, Noah... Eles já se tornaram indispensáveis na minha opiniao.

    O problema mesmo é juntar todos esses personagens em um objetivo comum e fazer grande parte deles se encontrarem, que eu acho que uma das propostas da série, é essa né ?
    Provavelmente, todos devem se encontrar na terceira temporada pra combaterem os vilões =)
    Vai ser o máximo!


    Gostei muito desse raio-x... Esperando ansiosamente o do Volume 2.

    ResponderExcluir
  2. Raphael1:38 AM

    Olá! Também gostei muito do raio-x, principalmente sobre o último capítulo. Assim como muitos, fiquei meio frustrado, pois realmente tudo foi rápido e simples demais para satisfazer toda a expectativa que vinha sendo criada.
    Uma outra coisa que eu acho que não ficou bem explicada foi sobre a "morte" (que no caso foi temporária) do Peter, ou seja, ao ponto fraco que tanto ele quanto a Claire tem, que pelo que entendi é a cabeça ou o cérebro. Também penso que poderia ser uma parte específica do cérebro, que se destruída, poderia matá-los. Enfim, e voltando ao último capítulo: será que a Claire teria que matá-lo metendo uma bala na cabeça dele? Será que ela não poderia enfiar um objeto para que ele morresse temporarimente e depois retirá-lo, como da outra vez?
    Gosto muito mesmo da série até porque ela dá uma enfase um pouco maior na parte dramática dos personagens e é muito bom terem vários personagens importantes, porque não fica tudo focado no personagem principal (que existe, e é claramente o Peter). Mas esse final da primeira temporada foi muito abaixo do esperado.

    ResponderExcluir
  3. Adorei esse raio-X, parabéns pelo texto!
    Entendo que a série tenha cometidos seus erros, mas continua sendo a melhor série que eu já vi!!!
    Absurdamente empolgante! Não dá pra não roer as unhas esperando o próximo episódio!!
    Estou em uma verdadeira crise de abstinência, esperando até setembro!
    Não acho que a segunda temporada tenha sido um fiasco, como já vi muita gente achando.
    Temos que levar em conta a greve, e que mesmo assim, as histórias foram ótimas, mas deu pra perceber que tudo foi correndo muito rápido!

    Parabéns pelo blog, espero mais análises como esta, que me fazem matar um pouco a saudade dos (tantos) personagens queridos de HEROES!

    ResponderExcluir
  4. - Sinceramente me decepcionei com o desfecho do Volume 1.
    - Como pode Sylar absorver tantos poderes e usá-los tão bem, enquanto os outros, com exceção de Peter Petrelli, só possuem um e não os dominam totalmente. O caso do Hiro é triste, a tanto tempo usando seu poder e não consegue usá-lo em momentos drásticos. Só aí já temos um erro da produção, pois não seria justamente nesses momentos em que os poderes deveriam ser ativados, como no caso de Nathan P, Niki, DL!? Só por analogia, nosso cérebro não produz adrenalina quando dormimos.
    - Será que deixar Peter P. inconsciente não teria sido suficiente pra parar a reação incontrolável? Há poucas cenas antes, ele havia desmaiado na rua, e a reação parou. Por dedução (ele é bem inteligente) teria pedido que alguém lhe desse uma pancada ou algo do tipo.
    - Matt parece bem decidido, dizendo "eu sou um policial!", só se esqueceu de colocar um colete à prova de balas; detalhe.
    - A Clare bem que poderia ser útil, ou não fugindo do Peter (pra começar), ou, já que fugiu (complicando mais as coisas), ajudando a derrubar o Sylar.
    - Me digam (pesando os poderes): Niki (poxa, a porrada dela é foda), Hiro (poxa, se ele para o tempo e amarra o Sylar...), Peter e Clare (pq ela pode cair do 10 andar, mas não pode levar um soquinho do Sylar) contra o Sylar, sem contar que o Nathan estava pra chegar, quem venceria!?
    - O Peter dizer pra Niki "Vá ver sua família, que EU cuido disso" (que piada). Cuidar da família?, se o Sylar vencesse ou se Peter explodisse no chão, não haveria nem Niki nem família.
    - Muita forçação de barra na criação da história. Os personagens que já entenderam a situação continuam desunidos.
    - Outra questão, são as mensagens que os criadores querem passar: livre-arbítrio (p ex: o Hiro não o tem, já que não consegue usar sua habilidade como gostaria; onde está o livre-arbítrio?), criação divina (na narração ao final do Volume 1); totalmente retrógrada, visto os vastos estudos de sociologia, psicologia etc, atuais.
    - Mas vamos ver no que dá. Ainda assim é uma das melhores séries que conheci.

    ResponderExcluir

Spams e publicidade indesejada serão apagados. Fique a vontade para fazer observações, críticas, elogios e tirar dúvidas.